segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Especialidade de cactos


                                                   Corôa de frade (Foto: Mércio Ferreira)
     Cactos são plantas suculentas da família da cactáceas e podem ser encontradas em torno de  1.400 espécies em  toda América principalmente nas regiões áridas, mas também são encontradas nas regiões de mata que é um ambiente úmido e até em regiões geladas como nos Andes. 
     Citaremos aqui juntamente com suas fotos as principais espécies encontradas em Pernambuco, do sertão ao litoral. Sendo que no sertão por ser uma região árida, as cactáceas ocorrem com mais frequência. 
     Não vou adentrar no assunto de forma detalhada, mas vou procurar ser claro, conciso, com uma linguagem acessível e com um volume satisfatório para o cumprimento da especialidade.
     Todas as respostas da especialidade estão embutidas no assunto, basta ler com atenção.
     
     A primeira questão da especialidade pede as principais características dos cactos, podemos dizer que essas características ocorrem na maioria de todas as espécies.      
     A característica mais comum é a presença de espinhos e água que ocorre em mais de 90% das espécies. Essas suculentas são organismos xerófilos, ou seja, foram projetados para sobreviver em situações onde a presença de água ou umidade é baixa. 

Coroa de frade
Foto; Mércio Ferreira
Todos os cactos floram entre o final do inverno, durante toda a primavera e o começo do verão, suas flores são incrivelmente lindas, mesmo que ocorra em locais muito quentes onde poucas espécies conseguem sobreviver. Esta foto a esquerda é um exemplo de como estas suculentas podem sobreviver  em locais incrivelmente secos e impróprios à vida. 








    

 O segundo quesito da especialidade pede três utilidades dos cactos. Não é difícil encontrar mais de três utilidades destas plantas maravilhosas. Aqui em Pernambuco e certamente em grande parte do Nordeste usamos muito como alimento para o gado, especialmente os bovinos em tempos de seca. Fazendeiros do agreste e principalmente do sertão, cultivam a palma para alimentar seu gado e até comercializar com outros criadores de gado que não cultivam  esse cacto. Mas não é só aos animais que os cactos servem de alimento, os humanos também se servem do cacto como alimento, seja seu fruto (mandacaru, palma, quipá, xique-xique, etc.), doce de cactos como o facheiro e xique-xique é uma delícia que vale à pena experimentar, em outros casos come-se cosido e temperado. Além disso, os cactos são usados como remédio caseiro, o chá do mandacaru e da raiz palmatória são muito usados em nossa região para combater os sintomas de virose, infecções e em outras regiões usam seu chá para auxiliar no emagrecimento. 
           Todos os cactos têm uma beleza singular, por isso são muito usados em jardins, como ornamento no interior das casas e por colecionadores. 
           Há ainda cactos que fornece água para aliviar a sede. Já ouvi pessoas leigas no assunto dizerem que é um mito que se pode extrair água de cactos para aliviar a sede, realmente, se não souber como fazer, nem em qual cacto fazer o procedimento. Quando ministro aulas aos meus desbravadores, liderança ou excursionistas, retiro água na frente deles e ingerimos a água que é totalmente aceitável ao paladar. Na próxima excursão ensino a vocês.
           Cerca de 10% de todas as espécies, são cactos epífitos, ou seja, vivem sobre as árvores, e em regiões úmidas, mas não são parasitas e o gênero mais abundante é o Rhipsalis mais comum na mata atlântica e o Brasil é o lugar onde eles são mais encontrados.

           Aqui em Pernambuco há uma grande variedade de família de cactos e em cada zona ocorrem gêneros diferentes, mas também ocorre de um gênero ser encontrado nas 3 zonas (sertão, agreste e mata). As mais conhecidas são:

           1. Mandacaru (Cereus Jamacaru) - cacto muito comum do sertão ao agreste e parte da mata, eu pessoalmente  contemplei mandacarus muito antigos mas não ultrapassavam os 6 m de altura embora que seu tronco tenha mais de 1 m de diâmetro, no topo da serra preta, zona rural de Floresta. O mandacaru é muito útil na alimentação animal e seu tronco seco serve de madeira para cobertura de casas. Seu fruto é saboroso e serve de alimento para pássaros e até para seres humanos. Já tive o privilégio de coletar alguns espinhos de 19 cm de um mandacaru os maiores que já vi.


Mandacaru (cereus jamacaru)
Foto: Mércio Ferreira.
           2. Xique-xique ou alastrado (Pilosocereus Gounellei) - outro cacto típico da caatinga pouco encontrado no agreste, sua altura não ultrapassa os 4 metros, tem espinhos rígidos e pontiagudos. É conhecido também por alastrado, pois seus galhos se  alastram e não se desenvolvem em forma de candelabro como o mandacaru e o facheiro. Seu fruto também é delicioso e além de ser apreciado pelos nordestinos ele serve de alimento a diversos tipos de animais silvestres e pássaros. Quero ressaltar que muita gente confunde o xique-xique com o facheiro e na prática de algumas especialidades identificam o facheiro como o xique-xique, veja a diferença nas fotos.      
    Xique-xique (pilosocereus gounellei)
    Foto: Jair Ferraz
               3. Facheiro (Pilosocereus Sp.)  mais comum no agreste (Pilosocereus Pachycladus) mais comum no sertão - esta espécie de cacto pode atingir os 10 m de altura, tem fruto saboroso e a lenha do seu tronco fornece uma madeira leve e suas raízes são úteis na fabricação de colheres de pau e outros artefatos que pedem madeira leve e fácil de manusear. À distancia nota-se uma certa semelhança com o mandacaru, mas o facheiro é mais ramificado e suas ramificações são mais finas.

    Facheiro (Pilosocereus Pachycladus) sertão
    Foto: Nilton de Brito Cavalcanti


    Facheiro (Pilosocereus sp.) agreste
    Foto: Mércio Ferreira

               4. Palmatória (opuntia palmadora ou tacinga palmadora) - esta espécie ocorre com frequência no sertão e muito raramente no agreste. Este cacto tem espinhos retos mas não são rígidos, flores vermelhas. A raiz deste cacto de odor peculiar é usada como remédio caseiro no combate aos males da próstata e infecções do sistema urinário. Em tempos de seca os sertanejos queimam seus espinhos e dar para o gado comer.



      Palmatória (opuntia palmadora)
      Foto: Dilson Santos

               5. Cabeça de frade ou corôa de frade (Melocactus Zehntneri) - Este cacto ocorre com muita frequência em Pernambuco tem formato globular e tem uma "coroa" na parte superior da planta, por onde saem as flores geralmente de cor rosa vivo e os frutos de sabor agradável com a mesma cor como se ver na foto.  O doce, a cocada e olicor desse cacto são de sabor exuberante, mas seus frutinhos também são comestíveis e ainda pode fazer um suco delicioso com eles





      Coroa de frade
      Foto; Mércio Ferreira



               6. Quipá (Opuntia Inamoema ou Tacinga Inamoema) - é um cacto rasteiro com folhas semelhantes às de uma palma, tem flores vermelhas com detalhes alaranjados, pelos que ao tocar na pele são bem incômodos e saem com melosa (planta encontrada na caatinga que tem folhas que grudam nos pelos da quipá e os retira mais facilmente. Seu pequeno fruto é demais delicioso, mas tem que queimar os pelos antes de consumir seu fruto. 

    Quipá (Opuntia Inamoema ou Tacinga Inamoema)
    Foto: João Marcos 

             7. Rabo de raposa  (Harrisia adscendens) (Gürke) Britton e Rose, 1920)- quando adulto, esse cacto fica todo emaranhado, não ocorre com muita frequência no sertão, mas também não é tao difícil de encontrá-lo. Essa cactácea cresce e se prostra devido ao grande tamanho de suas ramificações, é encontrada em todo sertão do pajeú e antigamente os sertanejos usavam para fazer gaiolas e cabo de cachimbo e no tratamento de dores de dente ou infecções na boca em geral e dores na coluna.
    Rabo de raposa (Harrisia adscendens) 
    foto:ermanatureza.blogspot.com.br

    8. Rhipsalis - Não estou certo do gênero que temos aqui no município de Cupira, agreste de Pernambuco, ele se encontra apenas em um único lugar, na serra do cruzeiro. É uma planta epífita e são pouquíssimos exemplares e acredito que sua ocorrência nesse município é totalmente desconhecida pelos biólogos.


    BREVE FOTOS


    9. pilosocereus piauiensis Esse já o nome científico que ocorre de forma eu diria rara em Pernambuco, encontramos vários  na serra do pipipã reconheci por sua principal característica que são seus espinhos dourados e finíssimos que se atear fogo eles queimam como palha seca, há muita semelhança com ou facheiros, mas sua ramificação é mais finas e os espinhos muito próximos em relação aos outros facheiros.            

      BREVE FOTOS

               10. Cereus hildmannianus - este cacto é na realidade um mandacaru desprovido de espinhos e com um caule menor, e seu tamanho pode chegar até 5 m apenas. Não é muito comum em nossa região, senão em jardins ou praças. A foto que postarei a seguir foi tirada na praça do Rosário em Caruaru. 

    BREVE FOTOS


    11. Cornegia giganteaCactos podem viver até 200 anos e alcançar 20 metros de altura (como o saguaro, originário dos EUA e México). Esta espécie não ocorre no Brasil, mas por ser muito conhecido pode ser introduzido na especialidade, inclusive muitos slogans de empresas ou divulgações usam um cacto como simbolo representando o agreste ou o sertão, dizendo ser este um mandacaru, quando na realidade a forma, o desenho mostra que se trata de um saguaro.









    MORFOLOGIA DOS CACTOS

    RAÍZES - As funções das raízes, assim como em todos os vegetais, é extrair nutrientes e fixar a planta ao solo ou em qualquer outro lugar, árvores por exemplo quando são epífitos. As raízes dos cactos são superficiais e foram projetadas para outra função que é extrair grande quantidade de água das chuvas, já que no seu habitat ocorre poucas chuvas.

    CAULE - Têm diversos formatos, poder ser cilíndricos ou colunares, globosos, achatados, arbóreos e até rasteiros. Quando são providos de espinhos e carnosos são chamados de cladódios; quando são finos e sem espinhos são chamados filocládios.  
    As principais funções do caule são:

    • Armazenar água;
    • Sustentação da planta;
    • Realização da fotossíntese, isso ocorre devido a ausência de folhas na maioria dos cactos, então eles usam a poupa do caule para este fim também.

    ESPINHOS  E FOLHAS - Essas estruturas espinhosas são a característica principal dos cactos, na verdade elas desempenham parcialmente o papel das folhas, a maioria dos cactos não tem folhas e isso evita que eles transpirem mais e percam água. Os espinho dos cactos, diferente das folhas, não respiram nem realizam a fotossíntese, os estômatos (canais entre as células que permitem a entrada de ar) que estão no caule é que fazem isso, e à noite. As espécies que tem folhas, respiram normalmente como qualquer outro vegetal.
    FLORES - todos os cactos florescem, uns com alguns meses vida, outros depois dos 80 anos de vida, isso mesmo, pois algumas espécies podem viver até os 200 anos e nos desertos, e tem gente que ainda reclama da vida. Geralmente as flores dos cactos são isoladas, belas, coloridas, hermafroditas e permanecem abertas durante o dia ou a noite. As flores são polinizadas pelos insetos, pássaros e pequenos morcegos.



    Flor da palmatória.
    Foto: Marília Riul. 
    ARÉOLAS -  são estruturas por onde saem os espinhos e as flores. Também nas aréolas podem haver estruturas  com pelos brancos, cinza ou dourados que estão ali com a finalidade de proteger a entrada dos estômatos e da flor.



    FRUTOS - são em geral  carnosos, alguns grandes e outros são comestíveis e de um sabor peculiar, posso afirmar, pois já provei de vários. 


    FRUTO DO MANDACARU

    http://www.jardimdeflores.com.br/CURIOSIDADES/curiosi1.html#topo1
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Cactaceae
    http://www.cactoslucia.com.br/cultivo/cactos/surgimento%20e%20significado.pdf





    2 comentários:

    Só serão permitidos comentários, com linguajar formal, e educado.